Haddad, ex-candidato a presidência da república, acaba de virar réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Justiça de São Paulo.

A questão que norteia a denúncia é, segundo o Ministério Público do Estado de São Paulo, Haddad teria solicitado, entre abril e maio de 2013, por meio do então tesoureiro do seu partido, João Vaccari Neto, a quantia de R$3 milhões de empreiteira UTC Engenharia para supostamente quitar dívidas de campanha com a gráfica de Francisco Carlos de Souza, o ‘Chicão Gordo’, ex-deputado estadual do PT.

Segundo o promotor Marcelo Mendroni, Ricardo Pessoa, dono da UTC, mantinha uma espécie de ‘contabilidade paralela’ de propinas com  Vaccari em decorrência de contratos de obras da UTC Engenharia S/A com a Petrobrás, com uma ‘dívida’ a saldar, em pagamentos indevidos de propinas, da ordem de R$ 15 milhões.

A denúncia foi aceita pelo juiz Leonardo Valente Barreiros, da 5.ª Vara Criminal da Capital, que escreveu:

“A narrativa acusatória ainda aponta que a captação e distribuição de recursos ilícitos se desenvolveram através de um esquema montado pela própria UTC Engenharia S/A, principalmente por contratos de prestação de serviços fictícios e/ou superfaturados, de forma que os valores ou a diferença retornassem à UTC Engenharia S/A, mas para ‘uma conta de caixa dois’ que detinham junto a Alberto Youssef. Depois, Alberto Youssef entregaria parte do valor do dinheiro em espécie; e em relação à outra parte utilizaria PFs e PJs para receberem os valores e os remeterem a outras PFs e/ou PJs para, finalmente, os valores serem transferidos, destas, para gráficas indicadas por ‘Chicão’.”

As informações são do jornal O Estado de São Paulo e Gazeta Online